A palavra inerrante

  • R$ 119,99


Estimar frete

 “Os críticos da inerrância argumentam que essa doutrina é uma invenção do escolasticismo protestante do século 17, em que a razão superou a revelação – o que significa que essa não era a doutrina dos reformadores. Por exemplo, eles chamam atenção para o fato de Martinho Lutero nunca ter usado a palavra inerrância. Isso é verdade. O que ele disse é que as Escrituras jamais erram. Nem João Calvino usou essa palavra. Ele disse que a Bíblia deve ser recebida como se estivéssemos ouvindo suas palavras da boca de Deus. Os reformadores, apesar de não usarem a palavra inerrância, enunciaram de forma clara esse conceito (...).

A defesa a respeito da inerrância fundamenta-se na confiança que a igreja tem na maneira como o próprio Jesus considerava e ensinava a Escritura. A plena probidade da Escritura Sagrada precisa ser defendida em cada geração contra toda e qualquer crítica. Esse é o caráter deste livro. Nós precisamos ouvir com atenção esta moderna defesa.” - RC Sprouldo Prefácio

 

“Foi A. W. Tozer que disse a famosa frase: “Aquilo que nos vem à mente quando pensamos a respeito de Deus é a coisa mais importante a nosso respeito”. Tozer seguiu explicando que a razão disso é que concepções distorcidas de Deus são idólatras e, no final das contas, blasfemas: “Concepções deficientes de Deus destroem o evangelho para todos os que as mantêm”. E, além disso: “Noções pervertidas a respeito de Deus logo deterioram a religião em que se apresentam. (...) O primeiro passo que faz uma igreja desandar é dado quando ela abandona o alto conceito que tem a respeito de Deus”. Como Tozer observou de modo muito perspicaz, o abandono de uma correta visão de Deus resulta inevitavelmente em colapso teológico e em ruína moral.” - Da Introdução

 “Numa época em que a Palavra de Deus está sendo atacada, não apenas pelos que estão fora da igreja, mas também por aqueles que se professam cristãos, todos os que amam ao Senhor têm o sagrado dever de combater seriamente por sua verdade revelada. (...) devemos fazer isso porque, quando a sã doutrina é atacada, somos obrigados a defender a fé. Nós nos posicionamos com firmeza, sabendo que fazemos isso na base da genuína autoridade de Deus.” - Da Introdução

Avalie este produto

    Ruim           Ótimo
Entre Wittenberg e Genebra

Entre Wittenberg e Genebra

No aniversário de 500 anos da Reforma em Wittenberg, dois acadêmicos altamente respeita..

R$ 67,99

História do cristianismo

História do cristianismo

Já em sua quarta edição nos Estados Unidos, História do cristianismo tor..

-60% R$ 35,99 R$ 89,99